Técnicos

Michael Jenkins – É fundador e presidente da Forest Trends. Anteriormente, foi conselheiro sênior do Banco Mundial para questões florestais e diretor adjunto de Meio Ambiente da Fundação MacArthur. Também trabalhou no Programa de Extensão Agroflorestal da Usaid no Haiti, bem como com o Corpo de Paz no Paraguai, atuando em projetos florestais, de agricultura e apicultura. Sua experiência de campo inclui projetos florestais no Brasil e na República Dominicana. Viaja extensivamente e fala diversos idiomas.

Mirela Sandrini Bonella – Graduada em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo, possui especialização em gestão ambiental FGV-RJ e MBA em gestão de negócios pelo Ibmec-RJ.  Acumula experiência em planejamento e gestão, além de grande vivência em sustentabilidade. Trabalhou em corporações de médio e grande porte, tendo como foco a elaboração de posicionamentos e a formação de novos porta-vozes para representação institucional em temas como desenvolvimento sustentável, desenvolvimento de territórios, biodiversidade e serviços ecossistêmicos, entre outros (Phillip Morris, ICI/Zeneca, McKinsey, Vale). Pelo terceiro setor, foi responsável pela criação e gestão de operação do maior fundo de cooperação de origem privada do Brasil, o Fundo Vale, de 2009 a  2014. Atualmente divide suas atividades entre o trabalho de consultoria e os conselhos de algumas ONGs.

José Roberto Borges (Beto Borges) – Graduado em Estudos de Manejo e Conservação de Recursos Naturais pela Universidade da Califórnia, em Bekeley, e pós-graduado em Administração de Empresas (MBA) com enfoque em Liderança Estratégica pela Dominican University of California. Atua profissionalmente há 30 anos nas áreas de manejo e políticas de conservação ambiental nos setores público, privado, filantrópico e não governamental. Atualmente é diretor do Programa Comunidades e Mercados da ONG Forest Trends, promovendo incentivos econômicos para comunidades locais associados à conservação dos serviços ambientais.

Nathaniel Carrol – Nathaniel é Diretor Adjunto da Ecosystem Marketplace, uma iniciativa da Forest Trends. Ele ajudou a desenvolver o programa de Mercado de Biodiversidade da Forest Trends, co-autorando o livro “Conservation and Biodiversity Banking”, e liderando o desenho e o lançamento de SpeciesBanking.com. Nathaniel atualmente dirige o desenvolvimento de projectos que abordam mercados ecossistêmicos de maneira transversal para Ecosystem Marketplace, incluindo a Ecosystem Services Matrix e MarketWatch, o que ajuda os interessados ​​a compreender o perfil, relacionamento, e o âmbito dos mercados ecossistêmicos. Além de seu trabalho com o Ecosystem Marketplace, Nathaniel tem trabalhado com a Business Development Facility da Forest Trends e tem consultado para vários grupos de investimento em eco-ativos. Antes de ingressar na Forest Trends, Nathaniel trabalhou com uma companhia privada de silvicultura e imobiliária no Panamá, canalizando investimentos privados para restaurar terras degradadas. Nathaniel trabalhou dois anos com o Rapid Assessment Program and Conservation Tools Program da Conservação Internacional. Ele tem experiência na condução de pesquisa ecológica, desde as Montanhas Rochosas até as Andes, desde as ilhas do noroeste do Havaí até a Baia Penobscot. Nathaniel é Bacharel em Ciências pela Universidade de Tufts e tem um Mestrado em Ciências Florestais pela Universidade de Yale.

Valmir Ortega – Geógrafo, por mais de 10 anos exerceu funções públicas em diversos órgãos de meio ambiente, como a Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Mato Grosso do Sul, no cargo de superintendente de Meio Ambiente, o Ministério de Meio Ambiente, onde foi coordenador nacional do Programa Pantanal, e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), onde foi diretor de Ecossistemas. De janeiro de 2007 a maio de 2009, exerceu a função de secretário de Meio Ambiente do Estado do Pará e, de 2009 a 2013, foi diretor do Programa Sênior de Política da Conservação Internacional do Brasil. Atualmente é consultor independente e diretor da Geoplus Consultoria.

Rubens Harry Born – Engenheiro civil e ambiental, advogado, mestre em saúde ambiental e doutor em regimes multilaterais. Consultor em políticas ambientais, desenvolvimento sustentável e sociedade. Pesquisador associado em mudanças de clima e meio ambiente da Fundação Grupo Esquel Brasil e colaborador do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS). Foi coordenador e representante desse Fórum nas Conferências Rio-92, Joanesburgo-2002, Rio+20 e em Conferências das Convenções de Mudança do Clima, Biodiversidade e Combate à Desertificação. Foi membro do Conselho Estadual do Meio Ambiente de São Paulo, da Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e Agenda 21 Brasileira e do Comitê Gestor do Fundo Nacional de Mudanças do Clima e de comitês de bacias hidrográficas. Entre 1989 e 2009, foi coordenador executivo do Vitae Civilis Instituto para o Desenvolvimento, Meio Ambiente e Paz.

Luiz Fernando Moura – Engenheiro Florestal pela Esalq-USP, mestre e doutor em Ciências da Madeira pela Université Laval (Quebec, Canadá). Realizou pós-doutorado na Esalq-USP, com projeto sobre tratamento térmico de madeiras e industrialização de madeiras tratadas termicamente. Atualmente, é consultor pela empresa Plant Inteligência Ambiental, onde organiza e elabora projetos para inserção no Mercado de Carbono, tanto no mercado regulado (MDL – Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Protocolo de Quioto) como voluntário (VCS – Verified Carbon Standard), além de realizar pesquisas de mercado e viabilidade para projetos florestais.”

Warwick Manfrinato – Engenheiro Agrônomo pela Esalq/USP, com mestrado em 1999 pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP), com especialização em ecologia isotópica e biogeoquímica, aplicada a ciclos de carbono na dinâmica da floresta. Atualmente, dirige a Plant Inteligência Ambiental (2001- 2015) (www.plantBR.com.br) e é membro do Programa Amazônia de Transformação no Instituto de Estudos Avançados na Universidade de São Paulo. Foi membro de diversas organizações internacionais como Winrock, ProNatura e Earth Council, além de ter atuado em centros de pesquisa, como Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, Cepea/USP e Laboratório de Química, Celulose e Energia da Esalq/USP.